O desenvolvimento econômico e o desenvolvimento do conhecimento organizacional

Temos lido e ouvido diariamente a respeito das expectativas de crescimento do Brasil para os próximos anos. Isto se justifica pelo fato do país estar atravessando um momento único em sua história, em que o Brasil alcançou uma estabilidade econômica que tem sido mantida nos últimos 17 anos. Este é um fato inédito na nossa história. Esta perspectiva de crescimento, então, permite o surgimento de oportunidades de trabalho, especializados ou não, em todas as áreas profissionais.

Por outro lado, já há sinais de que alguns gargalos irão limitar este crescimento. Fala-se muito das questões logísticas, da infra-estrutura, da morosidade política e principalmente da questão tributária. Mas eu acredito que o principal fator que irá inibir o crescimento econômico nacional é a falta de pessoas qualificadas no mercado de trabalho. Teremos as oportunidades, mas não haverá pessoas com qualificação necessária para aproveitá-las. Diante disto, é importante encararmos esta situação não como uma ameaça, mas como uma oportunidade, pois profissionais graduados – em tese – estão mais preparados para as oportunidades que aparecem no mercado e que podem resultar no crescimento profissional.

Mas este ponto leva a uma mensagem de alerta que serve principalmente para os profissionais graduados, pois o que aprendemos neste curto espaço de tempo chamado de faculdade, ou graduação, condensa um conteúdo cujo ciclo de vida é cada vez mais curto: o conhecimento. Em outras palavras, o conhecimento que adquirimos está se tornando cada vez mais perecível. Por conta disto, ao entrarmos num curso de graduação acabamos abrindo uma porta que não pode mais ser fechada, porque a formação do profissional e do ser humano é contínua, e é cada vez mais necessário que assim o seja.

Isto se justifica porque estamos vivendo numa sociedade considerada pós-industrial, na qual Delagnello[i] entende que a informação passa a ser a matéria prima, o produto é o conhecimento, o equipamento é o computador e o trabalho físico é trocado pelo intelectual. Assim, não temos o direito de parar de obter esta formação e não temos o direito de desestimular aqueles que a procuram. É preciso que continuemos a estudar, seja por meio da educação formal, seja por meio de todas as outras fontes de conhecimento que estão ao nosso alcance. É importante que leiamos tudo, que leiamos sempre, a fim de que não nos tornemos parte deste gargalo que está inibindo o crescimento nacional.

Como consequência, a gestão do conhecimento organizacional desenvolve-se e adquire cada vez mais importância porque as organizações vivem num momento em que se deve aprender a lidar com as mudanças contínuas, o que evidencia a importância da criação de mecanismos que possibilitem que o conhecimento torne-se cada vez mais disponível e acessível às pessoas, uma vez que Agostinho[ii] reconhece que na administração tradicional costumeiramente as pessoas têm acesso restrito à informação.

Também é importante lembrarmos que a vantagem competitiva das organizações contemporâneas se dará muito mais por meio do desenvolvimento dos indivíduos e da criação do conhecimento gerado a partir da interação entre eles do que por qualquer outro meio. Naturalmente, este pressuposto se tornará válido à medida que a Administração conseguir incorporar os benefícios oriundos do desenvolvimento das pessoas e dos novos conhecimentos gerados.


[i] DELLAGNELO, Eloise Helena Livramento. Novas formas organizacionais: ruptura com o modelo burocrático? Florianópolis, 2000. 179 f. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção.

[ii] AGOSTINHO, Marcia Esteves. Complexidade e organizações: em busca da gestão autônoma. São Paulo: Atlas, 2003.

Anúncios

Sobre Fabiano Goldacker

A Ponte ao Futuro é onde eu consigo aliar minha vocação com a minha paixão, que são as pessoas. Trabalhar com pessoas e desenvolver equipes é uma grande paixão, e depois de mais de dez anos atuando como gestor de grandes equipes acabei descobrindo que essa também é minha vocação. Unir essa vocação com a minha paixão faz com que surja um sentimento muito nobre, o qual eu quero contribuir para que as pessoas encontrem: a realização profissional.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s